A notícia do dia de hoje foi a abertura e liberação do código do Symbian, de forma a que qualquer um possa vê-lo, alterá-lo e corrigi-lo.

É notório que, pelo menos neste momento, o Symbian é o carro-chefe da Nokia, visto que praticamente todos os lançamentos são feitos nessa plataforma. E por que não fazer os lançamentos usando o Maemo?

O primeiro e mais lógico motivo é a maturidade de cada um deles. O Symbian já possui anos de mercado, e milhares de aplicações disponíveis. O N900 foi o primeiro aparelho que poderíamos chamar de smartphone com Maemo.

Mas o Symbian também possui problemas sérios. O principal advém justamente da “idade” do sistema! Ele está velho, ultrapassado. Isso sem contar a absurda falta de um SDK (Software Development Kit) decente para ele! Programar para aparelhos rodando Symbian é um parto (experiência própria). E a interface dele é praticamente a mesma de 3 ou 4 anos atrás.

E eu acredito que é justamente isso que a Nokia quer mudar. Só que aí vejo um porém! O Maemo está dando certo não porque a Nokia está fazendo bem a lição de casa, mas porque a comunidade gostou do aparelho e o adotou! Será que ela conseguirá um engajamento da comunidade em cima do Symbian? Abrir um software não significa muita coisa por si só. Da mesma forma que a Nokia espera que a comunidade faça algo pelo Symbian, a comunidade irá esperar algo em troca da Nokia….e pela experiência do Maemo, essa troca pode não ser lá muito justa.

Eu particularmente acho um erro a Nokia manter dois sistemas operacionais. Seria muito mais inteligente concentrar as forças em apenas um, do que dividir a atenção em dois.

Pelo desenho do mercado de hoje, eu diria que o caminho para a Nokia é apostar no Maemo. Eu acho que os aparelhos topo de linha da empresa utilizarão esse sistema operacional, e durante algum tempo os aparelhos mais simples rodarão o Symbian (mais ou menos como é hoje com o S60 e o S40).

Mas tudo depende de como a comunidade e o mercado reagirão a essa abertura.